Páginas

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Copa Libertadores Feminina 2016


Começa hoje no Uruguai a edição de número oito da Copa Libertadores Feminina, torneio esse que irá até o dia 20. Doze times dos dez países filiados a Conmebol participarão, sendo que Brasil (por ter o detentor do título) e Uruguai (por ser país-sede) serão representados por duas equipes cada.
Na primeira fase os doze times são divididos em três grupos de quatro, avançando as semifinais os campeões de cada grupo mais o melhor segundo colocado. Posteriormente, os dois vencedores da fase semifinal decidem o título.
Duas cidades sediarão o torneio: Montevidéu e Colonia, sendo que os jogos na capital uruguaia acontecerão em dois estádios (Gran Parque Central, do Nacional e Estádio Charrua, este utilizado mais para jogos de rugby) e em Colonia no Estádio Municipal Profesor Alberto Suppici.
Por se tratar da principal competição interclubes de futebol feminino da América do Sul, o nosso blog trará os resultados sempre ao final de cada rodada, além de alguns especiais contendo dados, estatísticas, números e curiosidades.
Conheça um pouco das equipes participantes e os jogos da primeira rodada da oitava edição da Copa Libertadores Feminina 2016:


Argentina 

UAI Urquiza - campeão argentino 2016
1 participação (2015)
colocação (3° lugar)


Bolívia

San Martín de Porres - campeão boliviano 2016
1 participação (2015)
colocação (9° lugar)


Brasil

Ferroviária - campeão da Copa Libertadores 2015
1 participação (2015)
colocação (campeã)

Adi Foz Cataratas - 3° colocado do Campeonato Brasileiro 2015
2 participações (2012 e 2013)
melhor colocação (vice em 2012)


Chile

Colo Colo - campeão chileno 2015
5 participações (2011, 2012, 2013, 2014 e 2015)
melhor colocação (campeã em 2012)


Colômbia

Generaciones Palmiranas - campeão colombiano 2016
estrante


Equador

Unión Española - campeão equatoriano 2015
estreante


Paraguai 

Sportivo Limpeño - campeão paraguaio 2015
estreante


Peru

Universitário - campeão peruano 2016
1 participação (2015)
colocação (12° lugar)


Uruguai

Cólon - campeão uruguaio 2015
2 participações (2014 e 2015)
melhor colocação (8° lugar em 2015)

Nacional - vice campeão uruguaio 2015 (país-sede)
3 participações (2011, 2012 e 2013)
melhor colocação (9° em 2013)


Venezuela

Estudiantes de Guárico - campeão venezuelano 2016
2 participações (2013 e 2015)
melhor colocação (6° lugar em 2013 e 2015)




Grupo A - Montevidéu (Gran Parque Central)
Colón-URU, UAI Urquiza-ARG, Sportivo Limpeño-PAR e Universitário-PER

Grupo B - Montevidéu (Estádio Charrúa)
Nacional-URU, Adi Foz Cataratas-BRA, San Martín de Porres-BOL e Generaciones Palmiranas-COL

Grupo C - Colonia (Estádio Profesor Alberto Suppici)
Ferroviária-BRA, Colo Colo-CHI, Estudiantes de Guárico-VEN e Unión Española-EQU


jogos da primeira rodada

06/12 terça-feira (hoje)
Sportivo Limpeño-PAR x Universitário-PER
Cólon-URU x UAI Urquiza-ARG

07/12 quarta-feira
Generaciones-COL x San Martín de Porres-BOL
Nacional-URU x Adi Foz Cataratas-BRA

08/12 quinta-feira
Estudiantes-VEN x Unión Española-EQU
Ferroviária-BRA x Colo Colo-CHI


as campeãs

3 títulos
São José-BRA (2011, 2013 e 2014)

2 títulos
Santos-BRA (2009 e 2010)

1 título
Colo Colo-CHI (2012)
Ferroviária-BRA (2015)


As postagens serão ao final de cada rodada e/ou fase, isto é, nos dias 09, 12 e 15 (primeira fase); 18 (semifinais) e 21 (final).



domingo, 4 de dezembro de 2016

O fim de um sonho...


Agasalho com o emblema da Chapecoense entre os destroços.

O avião que transportava a delegação da Chapecoense sofreu um acidente na Colômbia por volta das 0h30 min (horário de Brasília, 21h30 min horário local) da última terça-feira entre as cidades colombianas de La Ceja e La Unión, ambas próximas a Medellín, onde na quarta-feira o time brasileiro faria a primeira partida da decisão da Copa Sul-Americana diante do Nacional-COL. O avião da companhia Lamia havia saído do aeroporto de Cumbica em Guarulhos-SP por volta das 15h15 min da última segunda-feira e feito uma escala em Santa Cruz de la Sierra-BOL para depois seguir para a cidade colombiana, onde acabaria caindo a apenas 30 km do aeroporto José Maria Córdova, local do pouso.
Das 77 pessoas que estavam a bordo, apenas seis sobreviveram ao acidente: o goleiro reserva Jackson Follmann, o lateral Alan Rushel e o zagueiro Neto, os três atletas do time catarinense; o jornalista da rádio Oeste de Chapecó-SC Rafael Henzel; a comissária de bordo Ximena Suárez e o técnico de aviação Erwin Tumiri, esses dois últimos bolivianos. O goleiro titular Danilo chegou a ser resgatado com vida, mas morreu durante atendimento médico.
Entre os 71 mortos, 44 faziam parte da delegação da Chapecoense sendo dezenove atletas e os outros 25 restantes eram diretores (inclusive o presidente do clube Sandro Pallaoro) e membros da comissão técnica, como o treinador Caio Júnior. Morreram ainda no desastre 20 profissionais da imprensa, entre eles o comentarista da Fox Sports e ex-jogador e treinador Mário Sergio e seis tripulantes. Quatro pessoas estavam na lista de embarque mas não viajaram por motivos particulares ou pessoais.
Logo após a conformação do acidente o que se viu foi uma onda de tristeza que se abateu por todo o mundo seguido de homenagens de todas as partes, como de clubes se prontificaram a ajudar tanto financeiramente como de ceder atletas e reestruturação do departamento de futebol. O Nacional, em meio á comoção abriu mão da disputa da Copa Sul-Americana, sugerindo que a Conmebol ceda o troféu de campeão do torneio a equipe catarinense, além da vaga para a Copa Libertadores do ano que vem. No Brasil, clubes pediram a CBF para que a Chapecoense não seja rebaixada nos próximos três anos.


trajetória da Chapecoense

A Associação Chapecoense de Futebol foi fundado no dia 10 de maio de 1973 em Chapecó, cidade localizada no estado brasileiro de Santa Catarina com pouco mais de duzentos mil habitantes. O primeiro título, o Catarinense de 1977 possibilitou o clube a disputar pela primeira vez o Campeonato Brasileiro do ano seguinte, pois naquela época os estaduais eram classificatórios para o nacional. Foi campeão catarinense também por mais quatro vezes, a última esse ano.
Em termos nacionais, a Chape disputou a primeira divisão por dois anos seguidos em 1978 e 1979. No ano seguinte esteve na segunda divisão, retornando em 1987 após um período sem disputas nacionais. Na década de 90 vieram as participações na então Série C (terceira divisão) em 1992 e de 1995 a 1998, divisão essa que voltaria a participar somente em 2007.
Com a criação da Série D (quarta divisão nacional) em 2009 a Chapecoense passaria a disputar as competições nacionais de maneira ininterrupta desde então: o 3° lugar desse mesmo ano faira com que o time catarinense subisse para a Série C, onde ficaria de 2010 a 2012. Em 2013 a volta para a Série B depois de muitos anos, sendo que graças ao vice-campeonato no ano seguinte jogaria a Série A, onde está atualmente.
Com boas participações no Brasileirão, a Chape adquiriu a direito de disputar a Copa Sul-Americana do ano passado, chegando até as quartas de final ao parar somente no River Plate-ARG, na época campeão da Copa Libertadores, assim como o colombiano Nacional hoje. Neste ano porém a campanha seria bem melhor, e histórica: classificações sobre o multicampeão argentino Independiente nas oitavas, goleada na volta sobre o Junior-COL e por fim empate por um gol no Nuevo Gasómetro em Buenos Aires-ARG daria (e deu) a vantagem de jogar por outra igualdade, mas sem gols diante do San Lorenzo, outro grande argentino.
E assim como contra o Independiente, o algoz dos hermanos atendia pelo nome de Danilo: quatro pênaltis defendidos na disputa contra o time de Avellaneda e defesa com os pés nos acréscimos diante do campeão da Libertadores de 2014 puseram o pequeno time brasileiro na sua primeira decisão internacional de sua curta história. Era a realização de um sonho, sonho esse que chegou ao fim na noite de 29 de novembro de 2016...



domingo, 27 de novembro de 2016

Sul-Americanas em Mundiais Femininos: O tabu continua

Historicamente a América do Sul divide com a Europa o posto de principal força continental do planeta em se tratando de futebol, embora nos últimos anos os europeus vêm se sobressaindo em relação aos sul-americanos, como podemos ver nas três últimas Copas do Mundo e também no Mundial de Clubes da FIFA.
Mas há um porém: desde que o futebol feminino ganhou força a partir dos anos 90 com a criação dos campeonatos a nível mundial, as seleções sul-americanas jamais ganharam um edição sequer, seja na categoria principal ou nas de base. A única exceção fica por conta da última edição Mundial de Clubes Feminino disputada em 2014 onde as brasileiras do São José (São José dos Campos-SP) venceram a competição ao baterem na decisão as europeias do Arsenal Ladyes-ING. Mas em se tratando de seleções, o tabu continuou após a seleção brasileira ser eliminada na última quinta-feira pelo Japão nas quartas de final do Mundial Feminino Sub-20 da Papua Nova Guiné. No geral apenas seleções da Europa, Ásia (mais precisamente do Leste Asiático) e América do Norte (representado apenas pelos EUA) faturaram alguma edição de Mundial Feminino, seja da categoria principal ou de base, incluindo aí também os Jogos Olímpicos:


Copa do Mundo

ANO/SEDE
CAMPEÃ
MELHOR SUL-AMERICANA
1991 - China
Estados Unidos
Brasil (9° lugar – 1ª fase)
1995 - Suécia
Noruega
Brasil (9° lugar – 1ª fase)
1999 - EUA
Estados Unidos
Brasil (3° lugar - semifinais)
2003 - EUA
Alemanha
Brasil (5° lugar - quartas)
2007 - China
Alemanha
Brasil (vice-campeão)
2011 - Alemanha
Japão
Brasil (5° lugar – quartas)
2015 - Canadá
Estados Unidos
Brasil (9° lugar – oitavas)


Jogos Olímpicos

ANO/SEDE
CAMPEÃ (OURO)
MELHOR SUL-AMERICANA
1996 – Atlanta(EUA)
Estados Unidos
Brasil (4° lugar – semifinais)
2000 – Sidney (AUS)
Noruega
Brasil (4° lugar – semifinais)
2004 – Atenas (GRE)
Estados Unidos
Brasil (prata – final)
2008 – Pequim (CHN)
Estados Unidos
Brasil (prata – final)
2012 – Londres (ING)
Estados Unidos
Brasil (6° lugar – quartas)
2016 – Rio de Janeiro (BRA)
Alemanha
Brasil (4° lugar – semifinais)



Mundial Sub-20

ANO/SEDE
CAMPEÃ
MELHOR SUL-AMERICANA
2002 – Canadá
Estados Unidos
Brasil (4° lugar – semifinais)
2004 - Tailândia
Alemanha
Brasil (4° lugar – semifinais)
2006 - Rússia
Coréia do Norte
Brasil (3° lugar – semifinais)
2008 - Chile
Estados Unidos
Brasil (5° lugar – quartas)
2010 - Alemanha
Alemanha
Colômbia (4° lugar – semifinais)
2012 - Japão
Estados Unidos
Brasil (12° lugar – 1ª fase)
2014 - Canadá
Alemanha
Paraguai (10° lugar – 1ª fase)


Mundial Sub-17

ANO/SEDE
CAMPEÃ
MELHOR SUL-AMERICANA
2008 – Nova Zelândia
Coréia do Norte
Colômbia (13° lugar – 1ª fase)
2010 – Trinidad Tobago
Coréia do Sul
Brasil (8° lugar – quartas)
2012 - Azerbaijão
França
Brasil (8° lugar – quartas)
2014 – Costa Rica
Japão
Venezuela (4° lugar – semifinais)
2016 - Jordânia
Coréia do Norte
Venezuela (4° lugar – semifinais)



sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Chapecoense x Nacional-COL na final da Copa Sul-Americana

Pela primeira vez brasileiros e colombianos decidem o título de uma edição da Copa Sul-Americana, representados respectivamente por Chapecoense e Nacional. Somando-se a outras competições internacionais essa será a terceira final envolvendo clubes dos dois países, a primeira nesse século. A última foi em 1999 quando Palmeiras e Deportivo Cáli decidiram a Copa Libertadores daquele ano, curiosamente entre dois times alviverdes, como agora. Quatro anos antes a primeira final Brasil x Colômbia, com o Grêmio batendo o próprio Nacional quando ambos brigavam pelo bi da Libertadores.
Em se tratando apenas de Copa Sul-Americana, essa será a quarta final e a terceira seguida com a presença de um clube colombiano, após o vice do Nacional em 2014 e do título do Santa Fé ano passado. O clube de Medellín inclusive chega a sua terceira decisão (2002, 2014 e 2016), tornando-se o clube com mais finais da competição.
Se para a Chapecoense a final é inédita, o mesmo não se pode dizer a clubes brasileiros. Além dos títulos de Internacional em 2008 e São Paulo em 2012, tivemos também os vices de Fluminense (2009), Goiás (2010) e Ponte Preta (2013). Portanto, essa será a sexta final de Sul-Americana com clubes brasileiros.
Tanto Chapecoense quanto Nacional obtiveram vaga para a final da mesma forma, isto é, empatando por um gol fora e depois novo empate, mas sem gols em casa. E a primeira partida da finalíssima será já semana que vem dia 30 em Medellín, com a volta ficando para o dia 07 de dezembro em Curitiba-PR, pois o estádio em Chapecó não atende a capacidade mínima de 40 mil pessoas exigida em decisões das competições organizadas pela Conmebol.


semifinais - jogos de volta

23/11 quarta-feira
Chapecoense 0x0 San Lorenzo-ARG

24/11 quinta-feira
Nacional-COL 0x0 Cerro Porteño-PAR


final - jogo de ida

30/11 quarta-feira
Nacional-COL x Chapecoense


final - jogo de volta

07/12 quarta-feira
Chapecoense x Nacional-COL





quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Uma volta pelos campeonatos nacionais da América do Sul

Alguns campeonatos nacionais do nosso continente estão na reta final, e o blog preparou um resumo para que você fique por dentro do que anda acontecendo em cada país filiado à Conmebol:


Argentina (Primera División)
Liderança nas mãos do Estudiantes

Em um campeonato de trinta times, já tivemos um terço das rodadas e a liderança é do Estudiantes, 26 pontos e único invicto da competição. San Lorenzo e Newell’s Old Boys dividem a segundo colocação com 21 pontos. Ainda na zona de classificação para a Copa Libertadores de 2018 aparecem Boca (19) e Racing (18).


Bolívia (Torneo Apertura)
Título deve ficar em La Paz

Na Bolívia a temporada é dividida em dois torneios curtos (Apertura e Clausura). O líder do Apertura 2016 é o Bolívar com 32 pontos, três a mais que seu arquirrival The Strongest. Na terceira posição está o Oriente Petrolero, com 24 pontos e faltando oito rodadas para o fim dificilmente o título deixará de ir pra capital. Atual campeão, o Wilstermann é apenas o nono colocado entre doze participantes.


Brasil (Série A)
Palmeiras a um ponto do título

A torcida do Palmeiras conta os minutos para soltar o grito de campeão preso desde a última conquista há 22 anos, pois a diferença para o vice-líder Santos é de seis pontos (74 a 68). E faltando apenas duas rodadas para o término do campeonato o time verde e branco só deixa o título escapar se perder os dois jogos que restam e o Santos também vencer os dois, pois se ambos empatarem em pontos o ex-time de Neymar leva o caneco, pois terminaria com mais vitórias, primeiro critério de desempate.


Chile (Torneo Apertura)
Equilíbrio total

A diferença do líder Deportes Iquique para o quarto colocado O’Higgins é de apenas quatro pontos (24 a 20). Entre os dois aparecem a Universidad Católica com 22 e o Unión Española com 21. Faltando apenas três rodadas para o término do Apertura tudo pode acontecer, tanto algum time conquistar o título por antecipação como ficar tudo para a última rodada.


Colômbia (Torneo Finalización)
Inicio dos mata-matas

A primeira fase em que os vinte times se enfrentaram em turno único e os oito melhores avançaram a fase de mata-matas terminou nesse final de semana com o Nacional terminando na liderança geral (37 pontos), três a mais que o vice-líder Deportivo Cali. Agora os classificados se enfrentam em jogos de ida e volta com os vencedores avançando as semifinais. De um lado da chave teremos o tira-teima entre os times de Medellín e Bogotá com os confrontos entre Nacional x Millonarios e Santa Fé x Indepediente Medellín. Do outro lado o Deportivo Cali enfenta o Atlético Bucaramanga enquanto que Tolima x Patriotas completam as quartas de final.


Equador (Série A)
Título do Barcelona pode ser sobre o arquirrival

Campeão do primeiro turno e já classificado para a final, o Barcelona lidera também o segundo com sete pontos de vantagem para o segundo colocado e arquirrival Emelec, isso faltando apenas três rodadas para o fim. Como as duas equipes se enfrentam no próximo final de semana e somente ambos brigam pelo título do segundo turno (chamado no país de etapa) basta apenas um ponto para o Barcelona festejar seu 14° Campeonato Equatoriano, já que não há final caso um clube vença os dois turnos.


Paraguai (Torneo Clausura)
Somente Guarani e Olímpia na disputa

Faltando quatro rodadas para o término do Clausura 2016, a liderança pertence ao Guarani (42 pontos), cinco a mais que o segundo colocado Olímpia e treze do Libertad, clube que ocupa a terceira posição. Nesse caso somente os dois primeiros colocados estão na disputa do título. Somando os pontos do Clausura com o Apertura, que é o que determina as vagas para as competições continentais, o Cerro Porteño aparece apenas na quinta posição e sem chances matemáticas de participar da Libertadores do ano que vem.


Peru (Descentralizado)
Definidos os semifinalistas

Em sua centésima edição, o campeonato desse ano é disputado sob um regulamento pra lá de confuso: dois turnos (Apertura e Clausura), uma fase onde os dezesseis times são divididos em dois grupos de oito cada, chamada de Liguilla e ao final de tudo isso os  quatro melhores colocados somando a pontuação das três fases avançam as semifinais (1° x 4° e 2° x 3°) onde aí sim os vencedores decidem o título.
Faltando uma rodada para o fim da tal Liguilla os semifinalistas da edição de número cem do Campeonato Peruano já estão definidos: Sporting Cristal, Melgar, Universitário e Deportivo Municipal.


Uruguai (Transición)
Nacional x pequenos

A edição do Campeonato Uruguaio – Transición 2016 será curta e sendo realizado somente nesse semestre para ajustar a temporada do ano que vem, já que o calendário europeu será abolido, voltando então a ocupar o ano todo como era até 2005. Por isso o nome Transición, que será classificatório apenas para a Copa Sul-Americana do ano que vem, pois os representantes o país na próxima Libertadores foram definidos na temporada 2015-2016. E no Transición o Nacional divide a liderança com o Danúbio (25 pontos). Wanderers e Liverpool vêm juntos na terceira posição com três pontos atrás da dupla de líderes. Já o Peñarol amarga apenas o nono lugar e sem chance de título.


Venezuela (Primera División)
Zamora espera seu adversário na final

O Campeonato Venezuelano é decidido entre os campeões dos dois torneios curtos (Apertura e Clausura). Ambos são disputados no sistema todos contra todos em um único turno onde os oito primeiros avançam aos mata-matas dentro do próprio torneio curto até que se chegue ao campeão. Vencedor do Apertura, o Zamora já está na final do Campeonato Venezuelano e espera apenas o vencedor do Clausura para decidir o título, torneio esse que terá sua final na próxima semana entre Zulia e Deportivo Táchira.