Antes, amigos. Hoje, adversários irreconciliáveis. A história levou a que fosse assim a evolução do relacionamento entre Banfield e Lanús, dois dos clubes mais importantes da Zona Sul da Grande Buenos Aires, região populosa ao redor da capital argentina.
É bem verdade que essa rivalidade começou a ganhar força somente na década de 80, quando ambos os clubes passaram a se enfrentar com frequência na primeira divisão. Mas as diferenças entre os dois cresceram tão rapidamente e com tamanha intensidade que em pouco tempo o duelo se tornou o segundo dérbi mais importante da área, atrás apenas do Clássico de Avellaneda, entre Racing e Independiente. Por isso na volta do blog Futebol da América do Sul trago um pouco dessa rivalidade.

o começo de tudo

Fundado no dia 21 de janeiro de 1896, o Club Atlético Banfield é uma das instituições centenárias do futebol argentino. O "Taladro" ("Saca-Rolhas"), como é carinhosamente chamado, surgiu graças à iniciativa de um grupo de profissionais e comerciantes descendentes de ingleses e residentes na cidade de Banfield, que fica 14 quilômetros ao sul de Buenos Aires.
Já o Club Atlético Lanús nasceu 19 anos mais tarde, na cidade que inspirou seu nome. O "Granate" ("Grená"), apelido que ganhou rapidamente pela cor de sua camisa, surgiu mais precisamente no dia 3 de janeiro de 1915, de uma fusão entre o El Progreso e o Lanús United, outras duas equipes locais.
O curioso é que Banfield e Lanús costumavam ter um relacionamento amigável. Além disso, seus arquirrivais eram, respectivamente, o Los Andes e o Talleres de Remedios de Escalada, outros dois times históricos da região metropolitana de Buenos Aires. Na verdade, o primeiro encontro entre os protagonistas do Clássico do Sul, disputado em 1920, acabou em 1 a 1 e se destacou pela camaradagem. Porém, com o tempo, isso mudaria para sempre .

confrontos

O Banfield lidera os confrontos diretos na era profissional desde o primeiro encontro entre ambos, quando, em setembro de 1940, goleou o Lanús por 5 a 0 no campo do Talleres de Remedios de Escalada, um resultado que só se repetiria 68 anos depois.
O Granate teve de esperar até maio de 1954 para ter uma revanche quase à altura. Com a base da equipe que, por seu brilhantismo, logo ficaria conhecida como os Globetrotters — em homenagem ao time de basquete americano que, à época, excursionava pelo mundo fazendo malabarismos —, o Lanús goleou o Banfield por 4 a 0 na sétima rodada de um torneio que terminaria com o segundo rebaixamento do Taladro.
As décadas seguintes foram marcadas por uma sequência positiva do Banfield — que acumulou 16 clássicos sem derrotas entre 1966 e 1977 — e pelo rebaixamento do Lanús para a terceirona em 1979, o que resultou em três anos sem enfrentamentos entre ambos. Desde então, a torcida do Taladro chama ironicamente o encontro com o Granate de "C"lássico.
Desde seu último retorno à primeira divisão, em 1992, o Lanús cresceu até se transformar em um clube-modelo no futebol argentino. Em 1996, meses antes de conquistar a Copa CONMEBOL, o Granate goleou o Banfield outra vez por 4 a 0. Mas uma das vitórias que o Lanús mais saborearia, inclusive sem saber a dimensão que ela tomaria, foi a da quinta rodada do Apertura 2007. Jogando fora de casa, o Granate saiu perdendo, mas virou o jogo com dois gols de José Sand, ex-jogador do Banfield, somando três pontos fundamentais rumo a seu primeiro título. Seu arquirrival terminou em terceiro, seis pontos atrás.
O Taladro, no entanto, deu a volta por cima no clássico seguinte, disputado em março de 2008. Com gols de Luciano Civelli, Fabián Santana, Maximiliano Laso e dois de Darío Cvitanich, goleou o rival — então, campeão nacional — fora de casa por 5 a 0, igualando assim sua maior goleada no encontro. "Foi demais. Depois do terceiro, a torcida local começou a ir embora — e isso porque faltavam 40 minutos para o fim. Entramos para a história do clube e ficamos na lembrança dos torcedores", afirmou Civelli, um ano mais tarde.
Mas as alegrias do Banfield não parariam ali. O clube não só superou o Lanús por 2 a 1 no Apertura 2009, que acabaria vencendo, como também ganhou por 2 a 0 no clássico seguinte — o primeiro após ambos terem se sagrado campeões.

números e estatísticas

As estatísticas revelam que, em 91 jogos, o Banfield lidera nos confrontos diretos, com 38 vitórias e 133 gols a favor, contra 27 triunfos e 110 gols marcados do Lanús. O Taladro consolidou essa diferença graças a seu domínio nos encontros pela primeira divisão, na qual soma 31 vitórias e 97 gols contra 19 triunfos e 72 gols do Granate. E isso apesar de ter passado 14 anos a menos do que o rival na elite do futebol argentino — 44 temporadas contra 58.
No entanto, o Lanús foi o primeiro a dar uma volta olímpica na era profissional da Argentina, conquistando o Torneio Apertura 2007, e é o único a ter obtido um troféu internacional — a Copa CONMEBOL 1996. O Banfield, em compensação, precisou esperar até o Apertura 2009 para gritar "campeão" pela primeira e única vez até o momento.
Além disso, se por um lado a torcida do Granate lembra constantemente que sua equipe está mais bem colocada na classificação histórica do futebol argentino (14ª contra 17ª), a do Taladro retruca que seu clube nunca teve de jogar na terceira divisão — algo que o Lanús fez durante três temporadas.

números do confronto

jogos 91
vitórias do Banfield 38
vitórias do Lanús 27
empates 26
gols do Banfield 133
gols do Lanús 110

títulos do Banfield
Campeonato Argentino 2009 (Apertura)

títulos do Lanús
Copa CONMEBOL 1996
Campeonato Argentino 2007 (Apertura)