Páginas

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Clássicos Sul-Americanos: um século de River Plate x Boca Jr (Parte I)



O blog Futebol da América do Sul relembra em dois capítulos o maior clássico argentino que completa cem anos válido por competições oficiais. Trata-se de River Plate x Boca Jr,um dos maiores clássicos do planeta. Hoje o primeiro capítulo que conta a história do clássico. Semana que vem os números estatísticas,curiosidades e títulos.

Buenos Aires

Capital e maior cidade da Argentina com seus quase três milhões de habitantes, faz parte da segunda maior região metropolitana da América do Sul e terceira maior da América Latina com mais de 13 milhões de habitantes. A cidade,fundada em 03 de fevereiro de 1536 possui 16 clubes,alguns tradicionais outros menores e que cultivam a chamada rivalidade de bairro. Dentre esses clubes dois gigantes que vamos contar a história desse clássico a partir de agora.

La Boca,bairro onde tudo começou

O bairro de La Boca recebe esse nome por causa do foz do rio Riachelo,que desemboca no rio da Prata (boca = foz). Nas margens desse rio surgiu a maior rivalidade do país. Bairro operário com a maioria de seus habitantes com origem italiana que trabalhavam no porto de Buenos Aires.





A fundação dos clubes

O primeiro clube a ser fundado foi o Club Atlético River Plate, no dia 25 de maio de 1901 graças a fusão de outros dois clubes, o La Rosales e o Santa Rosa. Um dos sócios sugeriu que o novo clube tivesse esse nome por ser uma tradução equivocada de Rio da Prata,escrita em caixas que haviam sido descarregadas no porto por um navio britânico. Em homenagem a alguns fundadores de origem italiana o clube adotou as cores da cidade de Gênova.
Quatro anos mais tarde, em 03 de abril de 1905 era fundado aquele que seria seu maior rival,o Club Atlético Boca Junior. De origem italiana o clube adotou o apelido de Xeneize, como eram chamados os imigrantes genoveses. Na indecisão de se escolher as cores do novo clube todos concodaram que ele teria as cores da bandeira do primeiro navio que atracasse no porto. Como atracou um navio sueco o clube acabou por adotar as cores azul e amarelo. Ironicamente o primeiro uniforme boquense era igual ao do River de hoje com a faixa diagonal.

Os primeiros confrontos

Dia 24 de agosto de 1913 foi o primeiro confronto válido pela divisão de elite,mas já haviam se enfrentado amistosamente por duas vezes,em 1908 (Boca 2 a 1) e 1912 ( empate por 1 gol). Já no confronto oficial vitória do River Plate por 2 a 1 partida disputada do outro lado do rio Riachelo,no campo do Racing,em Avellaneda. Somente em 1918,cinco jogos depois é que o Boca conseguiria sua primeira vitória oficial,um magro 1 a 0. Na década seguinte veio a maior vitória boquense no clássico: 6 a 0 em 1928 transformou-se também como a maior goleada do confronto.



A mudança de sede do River: estopim da rivalidade

Com a conquista de alguns títulos argentinos ainda na era amadora,seu presidente na época José Bacigaluppi começou a sustentar a tese de que o River não era um clube para um  bairro,e sim para uma cidade. E lá vai o clube para a rica Zona Norte,mais precisamente para o bairro de Palermo. Anos depois o clube foi mais para o norte, para o bairro de Nuñez, onde está até hoje. Esse episódio só aumentou o ódio entre as equipes, pois os boquenses não perdoaram a “traição” de seu maior rival de deixar de lado as origens operárias para se transformar num clube de elite. Foi a partir daí que o confronto passou a ter a alcunha de “povo x elite” e o próprio River passou a ser apelidado de “Millonario”.

Inaugurações dos estádios

Após sair de La Boca o Millonario inaugurou no dia  25 de maio de 1938 aquele que viria a ser o maior estádio do país: Antônio Vespúcio Liberti, apelidado como Monumental de Nuñez com capacidade para 70 mil pessoas e que até hoje sedia jogos da seleção,inclusive foi nele que o país ganhou a Copa de 1978. Dois anos mais tarde, também num dia 25, mas de março era inaugurado um dos estádios mais místicos do planeta: Alberto Jacinto Armando, com capacidade para 50 mil pessoas e que ganhou o apelido de La Bombonera devido a semelhança com uma caixa de bombons,um verdadeiro alçapão.



Histórias por décadas

Na década de 40 vieram as maiores goleadas do River até hoje: 5 a 1 em 41 e 4 a 0 em 42. Nos anos 50 a superioridade Millonario ainda continuou com o clube vencendo a maioria dos confrontos quando começou o seu maior jejum de títulos que durou de 1957 a 1975. Nesse período de vacas magras do River tivemos outra grande goleada do Boca, um 5 a 1 em 59 além de cinco anos sem perder para o rival. Em 66 o primeiro clássico válido pela Copa Libertadores. Foram quatro jogos e apesar de duas vitórias boquenses o River foi para final e acabou com o vice; o Boca também já havia chegado a final três anos antes. A década de 60 foi excelente para os Xeneizes perdendo apenas cinco dos 25 clássicos disputados no período. Nos anos 70 tivemos o recorde de gols num único clássico: nove numa vitória do River por 5 a 4 em 72. Terminado o jejum Millonario em 75 mais dois novos confrontos válido por Libertadores. Em 77 ambos se enfrentaram na primeira fase e o Boca eliminou o então vice campeão de 76 e seguiu rumo ao título. No ano seguinte o Boca enfrentaria o River num triangular semifinal que tinha ainda o Atlético Mineiro. Nova vitória boquense e o bi da Libertadores.
No jejum de títulos do Boca nos anos 80 os Millonarios deram o troco na Libertadores: eliminou o Boca por duas vezes, em 82 e 86,nesse último ano inclusive conquistando o título. Foi nessa década que aconteceram as maiores vitórias como visitantes de ambos os lados da história: River 5 a 2 em La Bombonera em 80 e Boca 5 a 1 dois anos mais tarde no Monumental. O jejum boquense terminaria nos anos anos 90 onde o River teria a sua década mais vitoriosa com sete campeonatos argentinos além de uma Libertadores e uma Supercopa, mas nos clássicos a superioridade boquense prevalecia:o clube de Nuñez venceu apenas quatro dos 22 que disputou. Incluem na lista um tabu de quatro anos sem vitória (de 95 a 99) bem no período mais vitorioso do River.
Se os anos 90 foram os mais vitoriosos da história do River os anos 2000 foram mais vitoriosos ainda para o Boca. Primeiro o bi da Libertadores com direito a um 3 a 0 frente ao Millonario nas quartas de final de 2000. No vice de 2004 nova vitória Xeneize,dessa vez nos pênaltis válido pela semifinal. Mundiais, Libertadores, Recopas e Copas Sul-Americanas se tornaram hábito pelos lados de La Boca enquanto que pelos lados de Nunes o clube se manteria vitorioso pelo menos nacionalmente. Apesar da superioridade boquense em títulos houve um equilíbrio nos clássicos com algumas vitórias expressivas do River como um 3 a 0 em La Bombonera em 2002. Em 2011 o Millonario amargou pela primeira vez na história o rebaixamento a Segunda Divisão. O calvário duraria apenas um ano e agora com a queda do Independiente o Boca torna-se a única equipe que jamais fora rebaixada.

Dia 27/09  números,estatísticas,confrontos,curiosidades e títulos de Boca e River


Nenhum comentário:

Postar um comentário