Páginas

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Túnel do tempo:Há dez anos um clube peruano fazia história

Quem viu o Real Garcilaso chegar as quartas de final da Copa Libertadores desse ano talvez nem imagina que um outro clube também peruano e da mesma cidade, Cuzco fez história há exatos dez anos atrás. Trata-se do Club Sportivo Cienciano, campeão da Copa Sul-Americana de 2003.

Antes do título

O futebol peruano em termos internacionais resumia-se aos três grandes da capital Lima: Universitário, Sporting Cristal e Alianza Lima. Os dois primeiros inclusive foram vice-campeões da Copa Libertadores em 1972 e 1997 respectivamente. Os três detém a maioria absoluta de títulos nacionais. Mas naquela Copa Sul-Americana de 2003 algo de diferente aconteceria.

A campanha

Na fase nacional o Cienciano tinha pela frente o Alianza Lima,um dos ditos grandes do país. Com duas vitórias por 1 a 0 o clube de Cuzco seguiu adiante. Nas oitavas de final a tradicional Universidad Católica, do Chile seria seu adversário. Mas o inesperado aconteceu e a classificação praticamente veio já no jogo de ida com uma goleada por 4 a 0. Nem mesmo a derrota na volta por 3 a1, a única na competição abalaria os peruanos que seguiam firme para a próxima fase,onde iriam enfrentar apenas o campeão brasileiro do ano anterior: o Santos de Diego e Robinho,fundamentais na campanha do vice da Libertadores meses antes. Após um empate na Vila Belmiro bastava uma vitória simples para colocar os peruanos na semi e ela veio: Cienciano 2 a 1 e depois de seis anos um clube do Peru chegava novamente entre os quatro primeiros numa competição internacional.
Seu adversário nas semifinais seria o Nacional de Medellín, outro clube campeão da Libertadores e que havia perdido a final da Sul-Americana do ano anterior para o San Lorenzo,da Argentina. Na vontade de voltar a final os colombianos de expuseram demais no primeiro jogo em casa e com isso perderam por 2 a 1. Os peruanos estavam a um empate da final,bastava apenas não levar gol e no jogo da volta nova vitória por um gol de diferença e Cienciano na final contra outro gigante sul-americano: River Plate.

A final contra o River Plate

O jogo de ida foi disputado em Buenos Aires com mais de 50 mil torcedores empurrando o River no Monumental de Nuñez. No primeiro tempo Portilla abre o placar para os peruanos mas dois minutos depois Maximiliano Lopez deixa tudo igual. Na segunda etapa virada do River novamente com Lopez logo aos cinco minutos. Aos 22 Carty empata e aos 34 novamente Portilla virando para o Cienciano. Faltando cinco minutos para o fim Marcelo Salas empata para os donos da casa. Final de jogo 3 a 3 e a decisão ficou para o Peru.
A final teve que ser realizada num estádio maior por questões de segurança e o clube de Cuzco teve que jogar no Estádio da Universidad Nacional San Augustin, na cidade de Arequipa. Mesmo jogando fora de casa os argentinos foram pra cima e encurralaram os peruanos em seu campo. Chute de Marcelo Salas na trave,cabeçada a queima roupa de Luiz Gonzalez defendida pelo goleiro peruano foram alguns dos lances de perigo a favor do River. Já no segundo tempo as coisas começaram a complicar mais ainda contra o Cienciano com a expulsão do volante La Rosa logo aos sete minutos. Mas quando as coisas pareciam dar errado para os donos da casa eis que aos 33 minutos uma falta na entrada da área e com uma bela cobrança Carlos Lugo abre o placar em Arequipa: 1 a 0 Cienciano. Festa da torcida e um certo alívio,pois o River mandava no jogo até então. Mais tarde, a seis minutos do fim mais um jogador peruano expulso,dessa vez vermelho para Julio Garcia. E com dois homens a menos foi apenas segurar os minutos finais e esperar pelo fim do jogo que veio acompanhado de muita festa por parte da torcida. Pela primeira vez na história um clube peruano conquistava um título internacional, e não foi o Universitário,nem Sporting Cristal e muito menos o Alianza, os três grandes do país,o campeão da Copa Sul-Americana se chamava Cienciano! E com uma campanha inquestionável. Em dez jogos foram sete vitórias, dois empates e apenas uma derrota com direito a vitórias em cima de clubes tradicionais na América do Sul.

Depois da conquista a “cereja do bolo”

O melhor ainda estava por vir. Como campeão da Copa Sul-Americana o clube classificou-se automaticamente para a decisão da Recopa Sul-Americana do ano seguinte contra nada mais nada menos que o Boca Jr,campeão da Copa Libertadores de 2003. E novamente os peruanos deram a volta olímpica em cima de um clube argentino ao vencer nos pênaltis após empate por 1 a 1 no tempo normal com os peruanos empatando no minuto final da partida,decisão que assim como em 2003 foi disputada nos Estados Unidos na cidade de Fort Lauderdale.

O jogo do título

Cienciano-PER 1 x 0 River Plate-ARG

data 19/12/2003
estádio Universidad Nacional San Augustin, Arequipa-Peru
público 45000 pessoas
arbitro Gustavo Mendez,Uruguai
gol Carlos Lugo aos 33 minutos do segundo tempo

Cienciano
Ibañez; Morán, Acasiete,Carlos Lugo e Portilla; La Rosa, Bazalar (Miguel Llanos),Garcia e Maldonado (Ccahuantico); Saraz (Martín Garcia) e Carty. Técnico:Freddy Ternero

River Plate

Constanzo; Ameli,Tuzzio e Rojas; Coudet, Ahumada (Ludueña), Mascherano, Luis Gonzalez (Dominguez) e Gallardo; Maximiliano Lopez e Marcelo Salas (Montenegro) Técnico: Manuel Pelegrini

dia 27/09  Brasil e o seu primeiro Mundial Sub-20 em 1983

Nenhum comentário:

Postar um comentário