Páginas

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Copa Sul-Americana: Oitavas de final



Foram definidos nessa semana os últimos classificados para as oitavas de final da Copa Sul-Americana 2014. Ao todo teremos quatro brasileiros, quatro argentinos, três paraguaios e um time dos outros cinco países: Colômbia, Chile, Equador, Peru e Uruguai. Ficaram de fora das oitavas clubes da Bolívia e Venezuela.
Quatro partidas de ida serão realizadas já na próxima semana entre os dias 30 de setembro e 1° de outubro, todas envolvendo os clubes brasileiros. O restante será jogado somente daqui a duas semanas (14 a 16 de outubro) junto com os jogos de volta dos times do Brasil.
Mas antes vamos aos resultados dos jogos dessa semana que apontaram os últimos classificados:

jogos de volta da segunda fase (entre os vencedores da primeira fase)

23/09 terça-feira
Univ. César Vallejo-PER 3x0 Universitário Sucre-BOL
Cerro Porteño-PAR 3x0 Independiente del Valle-EQU

24/09 quarta-feira
Universidad Católica-EQU 1x0 HUachipato-CHI
Caracas-VEN 1x3 Deportivo Capiatá-PAR
Deportivo Cali-COL 0x1 Peñarol-URU

25/09 quinta-feira
General Díaz-PAR 1x3 Nacional-COL
River Plate-URU 1x1 Emelec-EQU

De um lado da chave que irá apontar um dos finalistas, o vencedor de  Vitória x Nacional-COL pega quem passar de Bahia x Universidad César Vallejo-PER. São Paulo x Huachipato-CHI enfrenta o vencedor de Goiás x Emelec-EQU. Do outro lado quem passar de Boca Jr-ARG x Deportivo Capiatá-PAR enfrenta o ganhador do confronto entre o atual campeão Lanús-ARG x Cerro Porteño-PAR. O vencedor de River Plate-ARG x Libertad-PAR joga nas quartas contra quem passar de Estudiantes-ARG x Peñarol-URU. Curiosamente três dos confrontos envolverão argentinos e paraguaios.

jogos de ida das oitavas de final

30/09 terça-feira
São Paulo x Huachipato-CHI

01/10 quarta-feira
Bahia x Universidad César Vallejo-PER
Emelec-EQU x Goiás
Nacional-COL x Vitória

Em relação ao ano passado, tivemos na fase de oitavas de final cinco brasileiros, quatro colombianos, três argentinos, dois chilenos, um equatoriano e um paraguaio. Assim como novamente ficaram de fora bolivianos e venezuelanos, na última edição não obtiveram vaga para as oitavas clubes do Peru e do Uruguai.


Sul-Americana com cara de Libertadores

Quando várias equipes tradicionais e ex-campeãs foram caindo uma a uma durante a competição, começaram a dizer que a Copa Libertadores 2014 ficou com jeitão de Copa Sul-Americana, pelo fato de não ter nenhum bicho-papão entre os semifinalistas. Entre ex-campeões, tradicionais e favoritos tivemos Peñarol, Nacional, Flamengo, Unversidad de Chile, Newell's e Deportivo Cáli se despedindo ainda na primeira fase. Nas oitavas foram as vezes de Vélez Sarsfield, Grêmio, Unión Española, Cerro Porteño e o detentor do título, o Atlético Mineiro. Nas quartas os dois únicos ex-campeões rodaram: Cruzeiro e Nacional de Medellín. Sobraram nas semifinais San Lorenzo, Bolívar, Defensor e Nacional do Paraguai, clubes que sequer haviam chegado à uma decisão de Libertadores.
Agora nessa edição da Copa Sul-Americana a coisa se inverte. Nada mais nada menos que seis ex-campeões da Libertadores estão nas oitavas de final (Boca, River, Estudiantes, Peñarol, São Paulo e Nacional-COL) além do tradicional Cerro Porteño. Libertad, Emelec e o atual campeão Lanús, frequentadores assíduos da principal competição da América do Sul também estão entre os dezesseis melhores. Com isso, a Copa Sul-Americana desse ano ficou com cara de Libertadores como podem ver nos confrontos a seguir:

Imagem: Conmebol

O confronto que ilustra bem o que o blog postou sem dúvida nenhuma é Peñarol-URU x Estudiantes-ARG, que decidiram a Libertadores de 1970 com vitória argentina. River Plate-ARG x Libertad-PAR e Cerro Porteño-PAR x Lanús-ARG também são confrontos com cara de Libertadores. E não pára por aí, já que nas quartas poderemos ter Boca x Lanús ou Cerro e River Plate x Estudiantes ou Peñarol. Ou até mesmo o maior clássico do Nordeste brasileiro, no caso de classificações de Bahia e Vitória. Nas semi, São Paulo x Nacional-COL pode ser um dos encontros de ex-campeões assim como Boca x Peñarol ou Estudiantes, ou quem sabe o maior clássico sul-americano decidindo uma vaga pra final entre o próprio Boca e River.
Já em se tratando de ex-campeões somente da Copa Sul-Americana, apenas Boca (bicampeão), São Paulo e Lanús estão presentes. Nacional, River, Estudiantes e Goiás chegaram à decisão, mas acabaram derrotados.
Se não ocorrer nenhuma zebra como na edição passada quando Lanús e Ponte Preta decidiram o torneio ou como foi na Libertadores desse ano, é bem provável que a taça vá para a galeria de troféus de algum bicho-papão. Façam suas apostas...



Fase final da Copa América Feminina 2014



Estamos no quadrangular final da Copa América Feminina 2014. Argentina, Brasil, Colômbia e Equador continuam na briga pelo título. Todas já estão classificadas para os Jogos Pan-Americanos de 2015 na cidade canadense de Toronto. As duas primeiras garantem vaga direta para o Campeonato Mundial do ano que vem também no Canadá enquanto que o terceiro joga uma repescagem. Para os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro somente a campeã se classifica.
Veja como terminou a primeira fase e os resultados dos últimos jogos, lembrando que até a postagem do blog não tínhamos os resultados de hoje, sexta-feira:

 19/09 sexta-feira
Colômbia 1x0 Peru Latacunga
Equador 1x2 Uruguai Latacunga

20/09 sábado
Paraguai 3x2 Chile Azogues
Brasil 0x2 Argentina Azogues

classificação final da primeira fase

Grupo A Colômbia 12, Equador e Uruguai 6, Venezuela 4 e Peru 1
Grupo B Brasil e Argentina 9, Paraguai e Chile 6, Bolívia 0

quadrangular final

24/09 quarta-feira
Colômbia 0x0 Argentina Quito
Brasil 4x0 Equador Quito

26/09 sexta-feira
Colômbia x Equador Sangolquí
Brasil x Argentina Sangolquí

28/09 domingo
Argentina x Equador Quito
Colômbia x Brasil Quito



Eles quase disputaram a Libertadores um dia

Como todos sabem, até hoje foram 27 os clubes brasileiros que participaram da Libertadores. A metade foi finalista sendo que dez deles levantaram a taça. São Paulo e Santos são os maiores vencedores com três conquistas. Logo a seguir vêm Grêmio, Cruzeiro e Internacional com duas. Os arquirrivais paulista (Palmeiras e Corinthians) e carioca (Flamengo e Vasco) além do último campeão, o Atlético Mineiro a faturaram por uma única vez. Três chegaram à decisão, mas acabaram derrotados: São Caetano, Atlético Paranaense e Fluminense. Botafogo (por duas vezes) e Guarani foram semifinalistas. Outros times não foram tão longe, mas fizeram um “certo barulho”, casos de Criciúma, Sport, Bahia e Paysandu. Paraná e Goiás apenas passaram de fase e nada mais. Já a lista de eliminados na fase de grupos tem seis times: Náutico, Bangu, Coritiba, Juventude, Santo André e Paulista.
E os clubes brasileiros que quase participaram da Libertadores? Quais são? Como e por que não se classificaram? O blog responde essas perguntas pra você agora.
Primeira competição a nível nacional, a extinta Taça Brasil foi disputada nos anos 60 e indicava apenas o campeão para a Libertadores. E já na segunda edição o Fortaleza acabaria vice ao perder a final para o Palmeiras. Por muito pouco nosso segundo representante na competição sul-americana não seria também nordestino como o Bahia, campeão da Taça Brasil de 1959 e participante da Libertadores no ano seguinte.
Já pelo Campeonato Brasileiro dos moldes atuais, entre 1971 a 1988 classificavam-se para a Libertadores campeão e vice. Com isso, os eliminados nas semifinais acabavam “batendo na trave”. Nesse período quase chegaram lá Santa Cruz em 1975; Operário-MS e Londrina ambos em 1977; Brasil de Pelotas em 1985 e o América carioca em 1986. De 1989 a 1998 voltou o sistema da antiga Taça Brasil de somente o campeão nacional se classificar, já que a vaga do vice foi repassada para o campeão da recém-criada Copa do Brasil. No tal período Bragantino em 1991 e Portuguesa em 1996 acabaram ficando de fora.
E por falar da Copa do Brasil, a competição foi criada em 1989 pra reunir os campeões estaduais em um torneio com formato mata-mata e o campeão adquiria o direito de jogar a Libertadores do ano seguinte. Desde então dois times bateram na trave: Ceará em 1994, Brasiliense em 2002 e o Figueirense em 2007.
Sentiram falta de alguns times? Pois é, esses mesmos times tiveram mais de uma chance de se classificar. São eles: Ponte Preta e Vitória. Os paulistas terminaram em terceiro lugar no Brasileirão de 1981 (os dois primeiros ficavam com a vaga) e vice da última Copa Sul-Americana, competição que desde 2010 também classifica para a Libertadores. Se tivesse faturado o título, teria “roubado” a vaga do Botafogo, quarto colocado do Campeonato Brasileiro do ano passado.
Já o Vitória... O clube baiano desperdiçou três oportunidades de debutar na principal competição sul-americana. Primeiro com o vice do Brasileirão de 1993 quando só o campeão ficava com a vaga. Depois em 1999 ao ser eliminado nas semifinais pelo Atlético Mineiro quando os dois primeiros avançavam. E por fim ao ser vice da Copa do Brasil de 2010. O mais dolorido é que se fosse hoje, tanto os resultados de 1993 como de 1999 favoreceriam o Vitória, graças ao aumento do número de vagas que os clubes brasileiros obtiveram nos anos 2000.
Treze clubes deixaram de participar da Libertadores, e somados aos 27 que estiveram lá teríamos no total quarenta brasileiros ao longo das 55 edições do principal torneio interclubes das Américas.

Os que quase chegaram lá

Taça Brasil (só o campeão se classificava)
Fortaleza-CE  vice em 1960

Campeonato Brasileiro de 1971 a 1988 (campeão e vice se classificavam)
Santa Cruz-PE  3° lugar em 1975
Operário-MS  3° lugar em 1977
Londrina-PR  4°lugar em 1977
Ponte Preta-SP  3° lugar em 1981
Brasil-RS  3° lugar em 1985
América-RJ  4° lugar em 1986

Todos os clubes acima foram eliminados nas semifinais. Por esse motivo que aparece tanto o terceiro quanto o quarto colocado.

Campeonato Brasileiro de 1989 a 1998 (só o campeão se classificava)
Bragantino-SP  vice em 1991
Vitória-BA  vice em 1993
Portuguesa-SP  vice em 1996

Campeonato Brasileiro de 1999 a 2002 (campeão e vice se classificavam)
Vitória-BA  3° lugar em 1999

Copa do Brasil (apenas o campeão se classificava)
Ceará-CE  vice em 1994
Brasiliense-DF  vice em 2002
Figueirense-SC  vice em 2007
Vitória-BA  vice em 2010

Copa Sul-Americana a partir de 2010 (apenas o campeão se classificava)
Ponte Preta-SP  vice em 2013




Torneios extintos: Copa Merconorte



A Copa Merconorte foi um torneio disputado por apenas quatro edições entre 1998 e 2001 paralelo à Copa Mercosul. Essa segunda competição reunia clubes dos cinco países do tratado econômico de mesmo nome (Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai). Já os outros países sul-americanos que ficaram de fora acabaram fazendo parte da Copa Merconorte (Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela). Nas duas últimas edições chegou a ter clubes convidados de Costa Rica, México e dos Estados Unidos. Ao todo 26 times participaram da competição.

Fórmula de disputa

Nas duas primeiras edições participaram doze times que foram divididos em três grupos de quatro. O campeão de cada grupo mais o melhor segundo colocado avançaram às semifinais e depois os vencedores disputaram o título. Já nos dois anos seguintes (2000 e 2001) com a entrada dos clubes convidados da Concacaf o número de participantes aumentou pra dezesseis e aí formaram quatro grupos de quatro times e somente o campeão de cada grupo é que passou para as semifinais. Na maioria das vezes os participantes eram distribuídos da seguinte forma: quatro colombianos, três equatorianos, três peruanos enquanto que bolivianos e venezuelanos ficavam com uma vaga cada.

Histórico da competição

Apenas clubes colombianos venceram a Copa Merconorte, inclusive decidiram entre si as três primeiras edições. O que ajudou essa supremacia foi o fato do país ter mais representantes que os outros, além de historicamente possuir clubes mais fortes.
Em 1998 três dos quatro semifinalistas eram colombianos onde Nacional e Deportivo Cali avançaram à final e o título parando nas mãos do time de Medellín. Já na edição seguinte o número de colombianos entre os semifinalistas caiu pra apenas dois, mas mesmo assim América e Santa Fé bateram respectivamente Alianza Lima e Caracas (ambos nos pênaltis) e decidiram a segunda Copa Merconorte, que terminou com a conquista do América nas penalidades máximas.
Na terceira edição entraram cinco equipes convidadas da Concacaf: Chivas, Necaxa, Pachuca e Toluca (todos do México) além do Alajuelense, da Costa Rica. Com um colombiano a menos e dezesseis equipes na disputa, previa-se que o domínio do país no torneio fosse reduzido, mas de novo os dois que passaram para as semifinais chegaram na final: Millonarios e Nacional, onde novamente o clube de Medellín ficaria com a taça. E em 2001 na derradeira Copa Merconorte tivemos as entradas dos clubes norte-americanos. E pela primeira vez os colombianos não foram maioria entre os semifinalistas, sendo superados pelos mexicanos. Mas no fim nenhum deles avançou a decisão que foi entre Millonarios e Emelec, quebrando a seqüência de três finais entre colombianos. Depois de dois empates por um a um, a última Copa Merconorte acabou nas mãos do Millonarios, confirmando a supremacia dos times da Colômbia na competição, conquistando todas as edições e em três delas colocando dois clubes na final. O Nacional é o único a levantar a taça por mais de uma vez enquanto que o Millonarios foi o que mais venceu, marcou gols e que mais somou pontos na história da competição, além de ser o único time a terminar entre os quatro primeiros por três vezes.

Os quatro primeiros colocados ano a ano

A taça na sede do América-COL
1998
Campeão Nacional-COL
Vice Deportivo Cali-COL
Semifinalistas Millonarios-COL e El Nacional-EQU

1999
Campeão América-COL
Vice Santa Fé-COL
Semifinalistas Alianza Lima-PER e Caracas-VEN

2000
Campeão Nacional-COL
Vice Millonarios-COL
Semifinalistas Chivas-MEX e Emelec-EQU

2001
Campeão Millonarios-COL
Vice Emelec-EQU
Semifinalistas Necaxa-MEX e Santos Laguna-MEX




Todos os clubes participantes


Todos os participantes e os finalistas. Créditos ao site El Amor es Redondo, da Colômbia.

4 participações (todas as edições)
Millonarios, Nacional e América (COL); Emelec e Barcelona (EQU) e Alianza Lima, Sporting Cristal e Universitário (PER)

3 participações
El Nacional (EQU)

2 participações
The Strongest e Oriente Petrolero (BOL); Chivas e Necaxa (MEX) e Caracas (VEN)

1 participação
Blooming (BOL); Deportivo Cali e Santa Fé (COL); Alajuelense (CRC); Aucas (EQU); Kansas City e New York Metrostars (EUA); Santos Laguna, Pachuca e Toluca (MEX) e Deportivo Italchacao e Estudiantes de Mérida (VEN)


Dia 03/10 Copa Mercosul




sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Copa Sul-Americana: Resultados de 16 a 18 de setembro



Tivemos nessa semana as partidas de ida e uma de volta da segunda fase e também os jogos de volta envolvendo clubes argentinos. E um confronto nas oitavas de final já está definido: River Plate-ARG x Libertad-PAR. Garantiram vaga também além dos dois times citados acima Boca Jr e Estudiantes.
Confira abaixo os resultados da semana e também o restante dos jogos de volta da segunda fase:

jogos de ida da segunda fase (entre os vencedores da primeira fase)

16/09 terça-feira
Independiente del Valle-EQU 1x0 Cerro Porteño-PAR
Deportivo Capiatá-PAR 1x1 Caracas-VEN
Peñarol-URU 2x2 Deportivo Cali-COL

17/09 quarta-feira
Huachipato-CHI 2x0 Universidad católica-EQU
Universitário Sucre-BOL 2x2 Universidad César Vallejo-PER

18/09 quinta-feira
Emelec-EQU 2x1 River Plate-ARG

jogos de volta da segunda fase (entre os vencedores da primeira fase)

17/09 quarta-feira
Libertad-PAR 2x0 Barcelona-EQU

jogos de volta da segunda fase (entre clubes argentinos)

16/09 terça-feira
Estudiantes 1x0 Gimnasia y Esgrima

17/09 quarta-feira
River Plate 2x0 Godoy Cruz

18/09 quinta-feira
Boca Jr 3x0 Rosário Central

jogos de volta da segunda fase (entre os vencedores da primeira fase)

23/09 terça-feira
Univ. César Vallejo-PER x Universitário Sucre-BOL
Cerro Porteño-PAR x Independiente del Valle-EQU

24/09 quarta-feira
Universidad Católica-EQU x HUachipato-CHI
Caracas-VEN x Deportivo Capiatá-PAR
Deportivo Cali-COL x Peñarol-URU

25/09 quinta-feira
General Díaz-PAR x Nacional-COL
River Plate-URU x Emelec-EQU

Só lembrando que nas oitavas de final entra o atual campeão (Lanús-ARG) que se junta aos já classificados: São Paulo, Vitória, Bahia e Goiás (Brasil); Estudiantes, River Plate e Boca Jr (Argentina) além do Libertad (Paraguai).



Clássicos argentinos em Copa Sul-Americana

Tivemos na terça-feira a vitória do Estudiantes sobre o seu maior rival, o Gimnasia y Esgrima no clássico da cidade de La Plata. Somando-se aos outros confrontos, esse foi a oitava vez que um clássico argentino foi jogado pela Copa Sul-Americana e o segundo entre arquirrivais.
Já na primeira edição do torneio tivemos dois clássicos: River Plate x Racing, com vitória do clube de Avellaneda e na fase seguinte o mesmo Racing seria derrotado pelo futuro campeão San Lorenzo. Já entre clubes arquirrivias, antes do clássico platense tivemos apenas Newell's x Rosário válido pela edição de 2005, com vitória dos rosarinos.
Segue abaixo a lista completa dos clássicos argentinos que foram jogados pela Copa Sul-Americana e os times que avançaram a fase seguinte aparecem em primeiro:

2002 Racing x River Plate 1x0 e 0x0 (oitavas)
         San Lorenzo x Racing 3x1, 0x2 e 4x3 nos pênaltis (quartas)
2003 River Plate x Independiente 4x1 e 4x0 (oitavas)
2004 Boca Jr x San Lorenzo 0x1, 2x1 e 4x1 nos pênaltis (oitavas)
2005 Rosário Central x Newell's Old Boys 0x0 e 1x0 ( segunda fase)
2012 Independiente x Boca Jr 3x3 e 0x0 (segunda fase)
2013 River Plate x San Lorenzo 1x0 e 0x0 (segunda fase)
2014 Estudiantes x Gimnasia y Esgrima 0x0 e 1x0 (segunda fase)

Copa América Feminina 2014: Jogos da primeira fase



Faltando apenas uma rodada em ambos os grupos, já temos uma seleção classificada para a fase final a Copa América Feminina 2014: é a Colômbia, que com 100% de aproveitamento no Grupo A apenas cumpre tabela hoje à noite. Nesse mesmo grupo brigam pela segunda vaga Equador e Uruguai que se enfrentam logo mais. As equatorianas podem perder até por três gols de diferença que mesmo assim avançam. Venezuela, que já fez suas quatro partidas, e Peru estão eliminadas.
No Grupo B, a liderança é do Brasil que precisa apenas de um empate diante das argentinas para se classificar. Se perder, torce por derrota do Chile para o Paraguai. Lanterna do grupo, a Bolívia é a única eliminada pois perdeu todas as partidas que fez na competição.
Segue abaixo os resultados das quatro rodadas da primeira fase, a classificação e os próximos jogos:

Grupo A Colômbia, Equador, Peru, Uruguai e Venezuela
Grupo B Argentina, Bolívia, Brasil, Chile e Paraguai

12/09 sexta-feira
Argentina 0x1 Chile Loja
Brasil 6x0 Bolívia Loja

13/09 sábado
Colômbia 4x0 Uruguai Ambato
Equador 1x0 venezuela Ambato

14/09 domingo
Bolívia 0x6 Argentina Loja
Paraguai 1x4 Brasil Loja

15/09 segunda-feira
Colômbia 4x1 Venezuela Riobamba
Uruguai 2x1 Peru Riobamba

16/09 terça-feira
Chile 3x0 Bolívia Cuenca
Argentina 1x0 Paraguai Cuenca

17/09 quarta-feira
Venezuela 0x0 Peru Ambato
Equador 0x1 Colômbia Ambato

18/09 quinta-feira
Bolívia 2x10 Paraguai Cuenca
Chile 0x2 Brasil Cuenca

classificação

Grupo A Colômbia 9, Equador 6, Venezuela 4, Uruguai 3 e Peru 1
Grupo B Brasil 9, Argentina e Chile 6, Paraguai 3 e Bolívia 0


próximos jogos

19/09 sexta-feira
Colômbia x Peru Latacunga
Equador x Uruguai Latacunga

20/09 sábado
Paraguai x Chile Azogues
Brasil x Argentina Azogues

fase final

24/09 quarta-feira
1° do A x 2° do B Quito
1° do B x 2° do A Quito

26/09 sexta-feira
1°do A x 2°do A Sangolquí
1°do B x 2°do B Sangolquí



Torneios extintos: Supercopa Libertadores



A Supercopa dos Campeões da Libertadores, ou simplesmente Supercopa, foi um torneio disputado entre os anos de 1988 a 1997 por dez edições. A intenção era de se criar uma competição que reunisse até então todos os clubes que venceram pelo menos uma vez a Libertadores. O campeão garantiria vaga na decisão da recém criada Recopa Sul-Americana contra o campeão da Libertadores no ano seguinte.

A fórmula de disputa

O torneio foi disputado em eliminatórias de ida e volta até a final, com exceção da última edição em 1997 que teve fase de grupos. No primeiro ano da competição eram apenas treze os times que haviam conquistado a Libertadores (a metade de hoje), sendo seis argentinos (Independiente, Racing, Estudiantes, Boca Jr, Argentinos Jrs e River Plate); quatro brasileiros (Santos, Cruzeiro, Flamengo e Grêmio); dois uruguaios (Peñarol e Nacional) e um paraguaio (Olímpia). Conforme ia surgindo novos campeões o número de participantes aumentava, como o Nacional-COL em 1989, Colo Colo-CHI em 1991, São Paulo em 1992 e Velez Sarsfield-ARG em 1994. Ao reconhecer o Campeonato Sul-Americano de Clubes Campeões vencido pelo Vasco da Gama em 1948 como um embrião da Libertadores em 1996, a Conmebol deu ao clube carioca o direito de disputar a Supercopa do ano seguinte, sendo o único time a jogar o torneio sem ter vencido a atual Libertadores, competição que o Vasco curiosamente conquistaria no ano seguinte à extinção da Supercopa. Outro fato curioso envolvendo os cariocas é que dos dezoito clubes que participaram da competição ao longo da história, somente o Vasco jamais terminou entre os semifinalistas, já que na única presença no torneio caiu ainda na primeira fase.
Somente Racing em 1988 e Vélez em 1996 foram campeões invictos.

Histórico da competição

Com treze participantes na primeira edição (número ímpar), ficou definido que uma equipe entrava direto nas quartas esperando os vencedores da primeira fase. E coube ao Racing, primeiro argentino campeão mundial ser também o pioneiro de seu país no novo torneio ao bater o Cruzeiro na final. Na edição seguinte entraria o colombiano Nacional, 14° clube a faturar a Libertadores. A final seria entre dois argentinos com vitória do Boca Jr diante do Independiente nos pênaltis.
Em 1990 o torneio voltou a ter treze clubes com a desistência dos colombianos. Cinco confrontos foram decididos nos pênaltis (recorde de uma única edição) e por fim não tivemos argentinos na final pela primeira vez, já que o torneio foi decidido entre Olímpia e Nacional do Uruguai, com vitória paraguaia meses depois de ter faturado a Libertadores. Como venceu as duas competições sul-americanas, automaticamente recebeu a taça da Recopa Sul-Americana sem a necessidade de uma decisão.
Nas três edições seguintes o título viria para o Brasil. Primeiro com o bicampeonato do Cruzeiro derrotando River Plate em 1991 e o Racing no ano seguinte, vingando-se da derrota de 1988. Na primeira conquista estreava o chileno Colo Colo e na segunda o São Paulo. A partir daí o torneio passaria a ter dezesseis participantes. Em 1993 decisão entre dois brasileiros: São Paulo e Flamengo, com vitória paulista nos pênaltis e assim igualava-se ao Olímpia como campeões da Libertadores e Supercopa no mesmo ano.
A partir daí só deu clube argentino campeão. Primeiro com uma final caseira entre Boca e Independiente, reprisando a decisão de 1989, mas dessa vez com vitória do clube de Avellaneda. No ano seguinte com estréia do Vélez Sarsfield, o bi do Independiente veio sobre o Flamengo em pleno Maracanã e no ano do centenário do clube carioca. O Vélez venceria o Cruzeiro na final de 1996 tornando-se o único campeão vencendo os dois jogos da final e na última edição do torneio, ao invés de mata-mata tivemos as dezesseis equipes divididas em quatro grupos de quatro onde somente o campeão de cada grupo avançava as semifinais. Por fim, River Plate e São Paulo chegaram à final com vitória do time Millonario.

Os brasileiros no torneio


Final da Supercopa de 1991: primeiro título do Cruzeiro
Das dez edições da Supercopa os times brasileiros venceram apenas três, e todas consecutivas (Cruzeiro em 1991/1992 e São Paulo em 1993). O próprio Cruzeiro foi vice em outras duas oportunidades (1988 e 1996) enquanto que os paulistas na última edição. O Flamengo também fora derrotado por duas vezes, na decisão entre brasileiros em 1993 quando perdeu para o São Paulo e dois anos depois para o Independiente. Grêmio e Santos foram semifinalistas apenas uma vez enquanto que na única participação do Vasco o clube carioca foi eliminado ainda na primeira fase.
O Cruzeiro não é só o time que mais venceu a competição (ao lado do Independiente) como é o que mais esteve em finais e o que mais somou pontos no ranking na história da competição, além de ter aplicado a maior goleada da competição, um 8 a 0 sobre o Nacional-COL onde Renato Gaúcho anotou cinco gols, sendo o que mais marcou gols numa única partida, outro recorde da Supercopa.

Os quatro primeiros colocados ano a ano

1988
Campeão Racing-ARG
Vice Cruzeiro
Semifinalistas River Plate-ARG e Nacional-URU

1989
Campeão Boca Jr-ARG
Vice Independiente-ARG
Semifinalistas Grêmio e Argentinos Jrs

1990
Campeão Olímpia-PAR
Vice Nacional-URU
Semifinalistas Peñarol-URU e Estudiantes-ARG

1991
Campeão Cruzeiro
Vice River Plate-ARG
Semifinalistas Peñarol-URU e Olímpia-PAR

1992
Campeão Cruzeiro
Vice Racing-ARG
Semifinalistas Flamengo e Olímpia-PAR

1993
Campeão São Paulo
Vice Flamengo
Semifinalistas Nacional-COL e Nacional-URU

1994
Campeão Independiente-ARG
Vice Boca Jr-ARG
Semifinalistas Cruzeiro e São Paulo

1995

O maior campeão da Libertadores cala o Maracanã em 1995














Campeão Independiente-ARG
Vice Flamengo
Semifinalistas River Plate-ARG e Cruzeiro

1996
Campeão Vélez Sarsfield-ARG
Vice Cruzeiro
Semifinalistas Colo Colo-CHI e Santos

1997
Campeão River Plate-ARG
Vice São Paulo
Semifinalistas Nacional-COL e Colo Colo-CHI

Todos os clubes participantes

10 participações (todas as edições)
Boca Jr, River Plate, Racing, Independiente e Estudiantes (ARG); Santos, Grêmio, Flamengo e Cruzeiro (BRA); Peñarol e Nacional (URU) e Olímpia (PAR)

9 participações
Argentinos Jrs (ARG)

7 participações
Colo Colo (CHI) e Nacional (COL)

6 participações
São Paulo

3 participações
Vélez Sarsfield (ARG)

1 participação
Vasco da Gama


Dia 26/09 Copa Merconorte


sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Copa Sul-Americana 2014: Resultados da semana (10 e 11 de setembro)



Depois da postagem do blog na sexta passada, houve mudanças datas de algumas partidas pela Conmebol. Ao invés de quatro, tivemos apenas duas partidas válidas pelos jogos de ida da segunda fase. Confira o resultado e os jogos da semana que vem:

10/09 quarta-feira
Nacional-COL 0x2 General Diaz-PAR

11/09 quinta-feira
Barcelona-EQU 1x0 Libertad-PAR

jogos de ida da segunda fase (entre os vencedores da primeira fase)

16/09 terça-feira
Independiente del Valle-EQU x Cerro Porteño-PAR
Deportivo Capiatá-PAR x Caracas-VEN
Peñarol-URU x Deportivo Cali-COL

17/09 quarta-feira
Huachipato-CHI x Universidad católica-EQU
Universitário Sucre-BOL x Universidad César Vallejo-PER

18/09 quinta-feira
Emelec-EQU x River Plate-ARG

jogos de volta da segunda fase (entre os vencedores da primeira fase)

17/09 quarta-feira
Libertad-PAR x Barcelona-EQU

jogos de volta da segunda fase (entre clubes argentinos)

16/09 terça-feira
Estudiantes x Gimnasia y Esgrima

17/09 quarta-feira
River Plate x Godoy Cruz

18/09 quinta-feira
Boca Jr x Rosário Central



Copa América Feminina 2014: Rodada de abertura



Antes de mais nada, peço desculpas por postar uma informação errada: na semana anterior postei que a Copa América Feminina iria começar na quarta, mas o certo é que o torneio teve início ontem, quinta-feira. Corrigido o erro, vamos aos resultados da primeira rodada válidos pelo Grupo A, já que até a postagem do blog não tínhamos os resultados dos jogos do Grupo B:

Grupo A Colômbia, Equador, Peru, Uruguai e Venezuela
Grupo B Argentina, Bolívia, Brasil, Chile e Paraguai

11/09 quinta-feira
Uruguai 1x3 Venezuela Riobamba
Equador 1x0 Peru Riobamba

próximos jogos

12/09 sexta-feira
Argentina x Chile Loja
Brasil x Bolívia Loja

13/09 sábado
Colômbia x Uruguai Ambato
Equador x venezuela Ambato

14/09 domingo
Bolívia x Argentina Loja
Paraguai x Brasil Loja

15/09 segunda-feira
Colômbia x Venezuela Riobamba
Uruguai x Peru Riobamba

16/09 terça-feira
Chile x Bolívia Cuenca
Argentina x Paraguai Cuenca

17/09 quarta-feira
Venezuela x Peru Ambato
Equador x Colômbia Ambato

18/09 quinta-feira
Bolívia x Paraguai Cuenca
Chile x Brasil Cuenca