Páginas

domingo, 20 de março de 2016

Vexames brasileiros diante de times venezuelanos

Na quarta-feira o São Paulo empatou com o Trujillanos por um gol fora de casa, resultado esse que foi considerado como um dos maiores tropeços da história do clube paulista, em virtude das circunstâncias atuais e também da fragilidade do adversário, que retornou a Libertadores após 21 anos da sua única participação. Devido a disparidade futebolística entre os dois países, qualquer resultado negativo é considerado tropeço e o de quarta não foi o único, pois alguns times brasileiros já acabaram dando uma escorregada frente a times da Venezuela e o blog irá relembrar esses tropeços.
Times brasileiros e venezuelanos já duelaram por 93 vezes e a vantagem esmagadora é nossa: 71 vitórias contra apenas oito derrotas e catorze empates. Jogando em solo brasileiro os times da Venezuela não voltaram derrotados pra casa em apenas dois dos 45 jogos que fizeram por aqui: em 1971 quando o Deportivo Itália (hoje Deportivo Petare) bateu o Fluminense por 1 a 0 em pleno Maracanã e em 2009 quando o Caracas arrancou um empate sem gols diante do Grêmio no antigo estádio Olímpico.
Veja os principais vexames dos times brasileiros diante dos venezuelanos:


1964 - Deportivo Itália 2x1 Bahia (fase preliminar)
O primeiro tropeço brasileiro

Vice da extinta Taça Brasil de 1963, o Bahia disputou a Libertadores herdando a vaga do campeão Santos, que havia ganho além do Nacional a Libertadores. E entrou na fase preliminar contra o Deportivo Itália onde quem vencesse avançava para a fase de grupos. Graças a um acordo entre os times os dois jogos foram na Venezuela e após um empate sem gols na primeira partida o Deportivo Itália venceu a segunda e avançou.


1971 - Fluminense 0x1 Deportivo Itália (1ª fase)
O "Maracanazo" venezuelano.

Na edição de 1971 o time carioca vinha de quatro vitórias seguidas, sendo três fora de casa. No quinto jogo o adversário era o Deportivo Itália, que já havia levado de seis do Fluminense na Venezuela. O que era pra ser outra goleada tornou-se uma das maiores zebras da história da competição, jogo esse que ficou conhecido como o "Maracanazo venezuelano". Na última rodada os cariocas perderiam a partida e a vaga para a fase seguinte pro Palmeiras.


1977 - Portuguesa 3x0 Internacional (fase semifinal)
A maior derrota brasileira

O Inter havia feito uma boa campanha na fase de grupos onde deixou pra trás Corinthians e os equatorianos El Nacional e Deportivo Cuenca. Nas semifinais encararia Cruzeiro, campeão da edição passada e a frágil Portuguesa, da Venezuela. E foi contra esse time que os gaúchos sofreriam uma de suas maiores derrotas em Libertadores: 3 a 0 e a vaga na final ficaria com os mineiros.


1980 - Deportivo Galícia 2x1 Internacional ( fase)
De novo mais um vexame colorado

Três anos depois novamente o Internacional sucumbiria para um time venezuelano. Dessa vez o algoz foi o Deportivo Galícia e menos mal que mesmo com a derrota o time gaúcho chegaria a decisão, onde ficaria com o vice.


1989 - Deportivo Táchira 1x0 Internacional ( fase)
Virou freguês...

Embora tenha crescido nos mata-matas onde eliminou Peñarol (com direito a um 6x2), Bahia e só parou nos pênaltis diante do Olímpia, o Inter sofreu novamente diante de quem? De times venezuelanos, claro. Com um empate e uma derrota fora para o Táchira os gaúchos terminaram em terceiro, e só seguiram adiante por que os três primeiros avançavam. Até aí o Inter havia somado três derrotas em dez confrontos, sendo até hoje o brasileiro com pior retrospecto diante de venezuelanos.


2009 - Grêmio 0x0 Caracas (quartas de final)
Graças ao gol marcado fora de casa

Tudo bem que era a melhor campanha do Caracas na história da Libertadores com o time venezuelano chegando pela primeira vez as quartas de final, mas isso não é desculpa para o tropeço do Grêmio. Afinal os gaúchos terminaram líderes na classificação geral e somadas aos triunfos diante do Universidad de San Martín-PER nas oitavas chegaram a sete vitórias (todas seguidas) em oito jogos. A sequencia seria quebrada após dois empates frente ao Caracas e a classificação só veio graças ao empate por um gol fora, já que em casa o time gaúcho não saiu do zero a zero.


2013 - Caracas 2x1 Grêmio ( fase)
Vaga no sufoco

Deve ser sina da dupla Gre-Nal tropeçar diante de venezuelanos. Em 2013 o Grêmio era um dos times brasileiros favoritos ao título e mesmo assim já havia passado sufoco na fase Pré ao passar pela LDU-EQU nos pênaltis. Em um grupo com Fluminense e dois times mais fracos (Caracas e Huachipato-CHI) foi graças ao time carioca que venceu os venezuelanos na última rodada que o Grêmio avançou as oitavas pois perdeu tanto para o time chileno quanto para o Caracas, vitória essa que não vinha de um venezuelano sobre brasileiros desde 2005 quando o Deportivo Táchira venceu o Santo André.






Nenhum comentário:

Postar um comentário