Páginas

quinta-feira, 7 de abril de 2016

Especial Libertadores 04: Campeões como jogador e vice como treinador (e vice-versa)


Adilson Batista e Renato Gaúcho: campeões como jogador e vices como técnico.

No quarto especial sobre os técnicos que fizeram história na Libertadores é a vez de abordarmos aqueles que conquistaram a competição como jogador mas falharam na condição de treinador. Como postamos ontem, sete fizeram a dobradinha enquanto que outros seis deixaram de entrar para esse grupo.
O primeiro foi o argentino Carlos Bilardo: tricampeão com o Estudiantes no fim dos anos sessenta, foi o técnico do vice do Deportivo Cali diante do Boca em 1978, sendo que na época Bilardo era o terceiro a estar em finais nas duas condições. Quinze anos depois foi a vez do chileno Ignacio Prieto, campeão pelo Nacional em 1971 e perdendo a final no comando da Universidad Catolica no bicampeonato sãopaulino.
No final da década passada foi a vez de dois brasileiros entrarem para a lista e ambos campeões jogando pelo Grêmio: Renato Gaúcho no primeiro título em 1983 e vice no banco do Fluminense em 2008 e Adilson Batista, capitão do bicampeonato gremista e que perderia como técnico do Cruzeiro um ano depois.
Por fim os outros dois foram vices como treinadores pelo mesmo time que venceram a competição como jogador: Diego Aguirre que venceu em 1987 marcando o gol do título do Peñarol, fora derrotado pelo Santos em 2011 e Ever Hugo Almeida, goleiro no bi do Olímpia em 1979 e 1990 e que sucumbiu na final de 2013 para o Atlético Mineiro.
E o inverso, vice como jogador e campeão como técnico? Temos somente um caso: trata-se de Alejandro Sabella, que estava em campo no vice do River para o Cruzeiro em 1976, time aliás que se vingaria no comando do Estudiantes no título de 2009, inclusive impedindo de Adilson Batista entrar para o seleto grupo de vencedores como jogador e técnico.
Para terminar, há ainda dois casos de treinadores que foram derrotados também na época de jogador: o colombiano Diego Umaña, curiosamente derrotado pelos dois maiores rivais argentinos. A primeira pelo Boca em 1978 jogando pelo Deportivo Cali e como técnico do rival América em 1996 na decisão diante do River Plate. E o outro é Julio César Falcioni, goleiro argentino no tri-vice do mesmo América nos anos 80 e derrotado pelo Corinthians em 2012 comandando o Boca Jrs.



Campeão como jogador e vice como técnico

Carlos Bilardo-ARG
Como jogador campeão pelo Estudiantes-ARG em 1968, 1969 e 1970
Como treinador vice pelo Deportivo Cali-COL em 1978

Ignácio Prieto-CHI
Como jogador campeão pelo Nacional-URU em 1971
Como treinador vice pela Universidad Católica-CHI em 1993

Renato Gaúcho-BRA
Como jogador campeão pelo Grêmio em 1983
Como treinador vice pelo Fluminense em 2008

Adilson Batista-BRA
Como jogador campeão pelo Grêmio em 1995
Como treinador vice pelo Cruzeiro em 2009

Diego Aguirre-URU
Como jogador campeão pelo Peñarol-URU em 1987
Como treinador vice pelo Peñarol em 2011
  
Ever Almeida-PAR
Como jogador campeão pelo Olímpia-PAR em 1979 e 1990
Como treinador vice pelo Olímpia-PAR em 2013


Vice como jogador e campeão como técnico

Com Sabella foi o inverso: perdeu como jogador mas venceu como técnico.

Alejandro Sabella-ARG
Como jogador vice pelo River Plate-ARG em 1976
Como treinador campeão pelo Estudiantes-ARG em 2009


Vice como jogador e técnico

Diego Umaña-COL
Como jogador vice pelo Deportivo Cali-COL em 1978
Como treinador vice com o América-COL em 1996

Julio César Falcioni-ARG
Como jogador vice pelo América-COL 1985, 1986 e 1987
Como treinador vice pelo Boca Jrs-ARG 2012





Nenhum comentário:

Postar um comentário