Páginas

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Regulamentos da Libertadores ao longo do tempo

Boa noite, depois de alguns dias de ausência o blog está de volta trazendo o que de melhor acontece no futebol sul-americano, com números, dados, estatísticas e curiosidades das competições do nosso continente.
E pra começar o ano de 2017 listamos pra você o regulamento da Copa Libertadores ao longo do tempo (formatos, número de participantes, fases etc) aproveitando que a edição desse ano traz várias novidades já postadas no mês passado:


1960 - 7 times de 7 países

Na primeira edição jogaram apenas sete clubes de sete países diferentes. Ficaram de fora representantes do Equador, Peru e Venezuela. Seis clubes se enfrentavam na primeira fase de mata-matas onde os três vencedores se juntavam a um time já pré-classificado as semifinais definido através de sorteio, e depois os vencedores decidiam o título.


1961 - 9 times de 9 países

Estrearam os representantes do Equador e Peru. Dois times se enfrentaram numa fase preliminar onde o vencedor juntou-se aos sete já pré-classificados. A partir daí, mata-mata até a final.


1962 - 10 times de 9 países

A partir daqui o campeão da edição anterior garante a vaga automaticamente, o que fez com que tivemos pela primeira vez duas equipes do mesmo país. Novamente venezuelanos ficaram de fora. Nove times foram divididos em três grupos de três onde apenas os campeões de cada grupo avançaram as semifinais, fase essa em que entra o detentor do título. No caso de classificação de duas equipes do mesmo país, obrigatoriamente teriam que se enfrentar nas semifinais.


1963 - 9 times de 8 países

Ficaram de fora clubes da Bolívia e Venezuela. Na primeira fase oito times formaram três grupos, um com dois times e os outros dois grupos com três. Os três vencedores se juntaram ao campeão da edição anterior nas semifinais. Pela primeira vez a final foi em três partidas, isso passou a acontecer até a edição de 1987 no caso de empate por pontos entre os finalistas (dois empates ou uma vitória para cada lado). O time de melhor saldo jogava pelo empate na terceira partida.


1964 - 11 times de 10 países

Foi a primeira edição a ter todos os países filiados a Conmebol presentes, com a estréia da Venezuela. Dois times disputaram uma fase preliminar onde o vencedor se juntou aos oito pré-classificados formando três grupos de três. Os campeões de cada grupo juntaram-se ao campeão da edição anterior formando as semifinais, e depois a final.


1965 - 10 times de 9 países

Os colombianos ficaram de fora. Nove times formaram na primeira fase três grupos e três onde os campeões avançaram a semifinal ao juntarem-se com o detentor do título.


1966 - 17 times de 8 países

Os vice-campeões nacionais passam a disputar o torneio, o que fez com que brasileiros e colombianos - descontentes com a mudança - boicotassem a Libertadores. Tivemos a primeira fase com três grupos: um com quatro times e os outros dois com seis. Os dois primeiros de cada grupo se classificaram e ao juntar-se com o campeão do ano anterior formaram dois grupos, um com quatro e outro com três, onde os campeões de cada grupo decidiram o título.


1967 - 19 times de 10 países

Com a volta de brasileiros e colombianos, a Libertadores voltou a ter os dez países da Conmebol representados, embora houvesse apenas um clube do Brasil. Tivemos três grupos: um com cinco, um com seis e o outro com sete times. A partir daí a fórmula de disputa passou a ser a mesma do ano anterior.


1968 - 21 times de 10 países

Tivemos o triplo de participantes da primeira edição. Vinte times foram divididos em cinco grupos de quatro times, classificando-se os dois primeiros de cada grupo. Na segunda fase os dez times foram novamente divididos em grupos, um com quatro e os outros dois com três. Os primeiros de cada grupo se juntaram ao campeão do ano anterior nas semifinais e depois os vencedores decidiram o título.


1969 - 17 times de 9 países

De novo clubes brasileiros ficaram de fora, seguidos pelos argentinos, sendo que esses indicaram apenas o campeão da edição anterior. Dezesseis times formaram quatro grupos de quatro classificando os dois primeiros. Os oito times voltaram a ser divididos em grupos (um com dois times e dois com três) onde apenas o campeão avançava as semifinais.


1970 - 19 times de 9 países

Os argentinos voltaram e os brasileiros continuaram de fora. Tivemos três grupos de quatro times e um com seis. A partir daí o torneio passou a ter a mesma fórmula do ano anterior.


1971 a 1987 - 21 times de 10 países

A fórmula que durou por mais tempo: vinte times divididos em cinco grupos de quatro onde apenas o campeão se classificava para a próxima fase. Os cinco times classificados se juntavam ao campeão da edição anterior e formavam dois grupos de três times. Os campeões de cada triangular, chamado de fase final decidiam o título. Nesse período foi instituída a decisão por pênaltis em caso de empate na final. Mesmo com a desistência de alguns países ou clubes em três edições a formula manteve-se inalterada: em 1972 tivemos apenas um representante do Uruguai e com isso um dos grupos teve três times; já nos anos de 1973 e 1986 não tivemos representantes venezuelanos, e com isso tivemos um grupo com apenas dois times, e do mesmo país.


1988 - 21 times de 10 países

A fase de grupos continuou inalterada, mas agora se classificam as duas melhores equipes de cada grupo ao invés só do campeão. As dez equipes se enfrentam em um mata-mata onde os cinco vencedores se juntam ao atual campeão, formando três chaves eliminatórias. Os vencedores e o melhor entre os perdedores avançam as semifinais e final. A terceira partida decisiva é abolida, no caso de empate em pontos o principal critério passa a ser o saldo de gols, persistindo o empate o campeão sairá nos pênaltis.


1989 a 1997 - 21 times de 10 países

A partir dessa edição não só os dois primeiros, mas também os terceiros de cada grupo se classificavam as oitavas. Os quinze se juntavam ao campeão da edição anterior e se enfrentavam em oitavas, quartas, semifinais e depois os vencedores faziam a final. Em 1990 não tivemos representantes colombianos (somente o detentor do titulo Atlético Nacional-COL), com isso um dos grupos teve apenas dois times. Dois anos depois o campeão do ano anterior (Colo Colo-CHI) entrou direto na primeira fase e seu grupo teve cinco times, com quatro avançaram as oitavas.


1988 e 1999 - 23 times de 11 países

A partir de 1998 clubes mexicanos passaram a disputar a Libertadores. Seus dois representantes jogavam um quadrangular com dois times venezuelanos, país pior colocado no ranking. Os dois vencedores garantiram vaga na fase de grupos, e a partir daí a fórmula seguia a dos anos anteriores.


2000 a 2003 - 34 times de 11 países

A grande mudança: Brasil e Argentina passaram a ter duas vagas a mais enquanto que Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru e Uruguai apenas uma. Clubes venezuelanos e mexicanos continuavam a ter apenas dois representantes cada, e disputando entre si duas vagas na fase preliminar. O campeão passou a entrar na fase de grupos e caiu a obrigatoriedade de dois times do mesmo país não poder decidir o título. Além disso, extinguiram-se os pares de clubes do mesmo país na formação dos grupos. A primeira fase passou a ter oito grupos de quatro com os dois primeiros se classificando para as oitavas, depois quartas, semifinal e final.


2004 - 36 times de 11 países

Brasil e Venezuela ganham mais uma vaga cada e a fase preliminar que participavam clubes venezuelanos e mexicanos é extinta, com esses países tendo seus representantes entrando na fase de grupos. Os 36 times foram divididos em nove grupos de quatro times, classificando-se para os mata-matas os campeões de cada grupo mais os cinco melhores segundos colocados. Os quatro piores segundos colocados participaram de uma repescagem onde os dois vencedores também avançaram as oitavas. E a partir daí mata-mata ate a final.


2005 a 2016 – 38 times de 11 países

Argentina e México ganham mais uma vaga. Os piores classificados dos países mais o segundo pior do país campeão (totalizando doze clubes) passaram a disputar uma fase preliminar, chamada de Pré-Libertadores. Após essa fase eliminatória, os seis vencedores se juntam aos 26 times já pré-classificados, formando oito grupos de quatro times com os dois primeiros avançando aos mata-matas.
A partir de então, o critério do gol marcado fora de casa passou a ser utilizado menos na final, que passou a ter prorrogação antes das penalidades em caso de igualdade de pontos e saldo. Em 2007 ficou definido que clubes do mesmo país não poderiam mais decidir o título, tendo que se enfrentar até as semifinais, como era até 1987.
Com a suspensão de dois clubes mexicanos nas oitavas da edição de 2009 devido a um surto de H1N1 que assolava aquele país, no ano seguinte esses times entraram diretamente nas oitavas, fazendo com que classificassem da fase de grupos apenas seis dos oito segundos colocados. E a última alteração foi em 2010 com a entrada do campeão da Copa Sul-Americana do ano anterior, na vaga do pior classificado de seu país na fase Pré.



Nenhum comentário:

Postar um comentário