Páginas

domingo, 16 de julho de 2017

As maiores freguesias da Libertadores

Na semana dos jogos de ida das oitavas de final da Copa Libertadores 2017 o River Plate-ARG venceu o Guaraní-PAR fora de casa, essa que foi a sexta vitória em sete jogos entre os dois times, aumentando com isso a freguesia dos paraguaios em relação ao River. Pensando nisso, o blog lista pra você as maiores freguesias da história da Libertadores:


Peñarol-URU  - freguês do Atlético Nacional-COL
6 jogos - 6 derrotas

No confronto entre o primeiro e o último campeão da Libertadores, a vantagem do detentor do título é avassaladora: seis vitórias nos seis jogos em que se enfrentaram, com direito a dezenove gols a favor e apenas dois sofridos, sendo que não toma gol dos uruguaios nas últimas quatro partidas.
A primeira vez que se cruzaram foi pelas oitavas de final de 1995 - ano do primeiro título do time de Medellín -  que terminou com duas vitórias do Atlético Nacional por 3 a 1. Depois vieram mais quatro vitórias sendo três por goleada nas edições de 2012 e 2016, todas válidas pela fase de grupos.


Guaraní-PAR - freguês do River Plate-ARG
7 jogos - 6 derrotas e 1 empate

Confronto que está sendo disputado nessas oitavas, as duas equipes se enfrentaram pela primeira vez em 1966 válido pela fase semifinal que ainda era no formato de grupo, terminando com duas vitórias argentinas por 3 a 1. Em 2001 na fase de grupos mais duas vitórias do River; nas semifinais de 2015 os argentinos venceram na ida e finalmente o Guaraní conseguiu ao menos empatar. O último confronto foi há duas semanas atrás em Assunção, com nova vitória do River.


Palmeiras - freguês do São Paulo
8 jogos - 6 derrotas e 2 empates

Os rivais paulistas se enfrentaram em oito partidas por quatro edições, e em todas o São Paulo leva vantagem. O primeiro encontro ocorreu na fase de grupos de 1974 com duas vitórias tricolores, que avançariam para a fase seguinte; depois em três mata-matas, todos válidos pelas oitavas de final: vitória e empate em 1994, duas vitórias em 2005 e por fim uma vitória e um empate no ano seguinte. O curioso é que toda vez que eliminou o Palmeiras, o São Paulo chegou à decisão. Se serve de alento aos palmeirenses, é que dessas quatro decisões, em três o Tricolor acabou derrotado.


Independiente-ARG - freguês do River Plate-ARG
17 jogos - 7 derrotas, 8 empates e 2 vitórias

Um dos confrontos entre clubes do mesmo país que mais se repetiu em Libertadores (é o quarto da lista), o time de Avellaneda venceu apenas duas partidas do confronto, tendo nas outras quinze empatado oito e perdido outras sete. Nas disputas diretas por vaga entre ambos só deu River: nas semifinais de 1966 e 1976 disputada em forma de grupos deu River após três jogos, sendo o último jogo-desempate; em 1978 igualdade de pontos na primeira fase e novamente o Millonario seguiu adiante na partida extra; em 1987 a primeira vitória do Independiente após dez jogos onde ambos acabaram eliminados no grupo semifinal pelo Peñarol. Em 1990 vantagem dos Rojos na fase de grupos mas depois nas quartas deu River, no único mata-mata entre os dois. O último encontro entre os dois gigantes argentinos foi há 22 anos, na fase de grupos de 1995.


Peñarol-URU - freguês do Boca Jrs-ARG
10 jogos - 7 derrotas e 3 empates

Recordistas em finais de Libertadores com dez presenças cada, Boca e Peñarol curiosamente jamais decidiram o torneio, tendo no máximo se enfrentando em semifinais. E em dez jogos entre dois dos maiores vencedores da competição, o time uruguaio nunca venceu o Boca: foram sete derrotas e três empates. Em 1963 os argentinos venceram as duas partidas das semifinais, o que se repetiu na fase de grupos de 1977. Dois anos depois pela semifinal no formato de grupo uma vitória e um empate, este o primeiro jogo em que o Peñarol não saiu derrotado. Mas mesmo assim deu Boca na terceira final seguida. Em 1986 e em 2000 foram confrontos na primeira fase, onde houve uma vitória do Boca e um empate em cada ano, sendo que no primeiro ambos acabaram eliminados e no segundo os dois avançaram às oitavas de final.


Emelec-EQU - freguês do Nacional-URU
8 jogos - 7 derrotas e 1 vitória

Todos os confrontos envolvendo Emelec e Nacional foram somente por fases de grupos, e apenas uma partida os equatorianos saíram vitoriosos. Em 1966, 1967 e 2000 foram duas vitórias uruguaias em cada edição. Somente em 2007 veio a primeira vitória do Emelec, quebrando a sequencia de seis derrotas seguidas.


Deportivo Cali-COL - freguês do Boca Jrs-ARG
10 jogos - 5 derrotas, 4 empates e 1 vitória

O time colombiano conseguiu apenas uma vitória em dez partidas que fez diante do Boca. Em 1977 os dois se enfrentaram nas semifinais, com o Boca avançando para a final com uma vitória e um empate. Um ano depois decidiram o título, que após empate na ida terminou com goleada e título xeneize por 4 a 0. Em 2001 enfim a primeira vitória do Deportivo Cali (3x0) mas na mesma edição os argentinos voltaram a vencer, despachando os colombianos ainda na primeira fase. Em 2004 também pela fase de grupos houve duas vitórias do Boca, mas ambos avançaram às oitavas. E os últimos jogos foram no ano passado com um empate e uma vitória argentina, a maior do confronto (6x2). Com exceção de 2016,  todos os outros anos o Boca chegou à final após enfrentar o Deportivo Cali, e inclusive seu primeiro dos seis títulos foi em cima do time colombiano.


Olímpia-PAR - freguês do Peñarol-URU
8 jogos - 5 derrotas e 3 empates

As duas equipes fizeram a primeira final da Libertadores da história, que terminou com o título do time uruguaio após vitória em casa e empate fora. No ano seguinte novo encontro, dessa vez nas semifinais de de novo deu Peñarol com duas vitórias. Em 1969 se cruzaram pela segunda fase em um grupo de apenas dois times, e no confronto direto o time uruguaio se classificou para as semifinais depois de uma vitória e um empate. E por fim o último encontro em 1974 na fase de grupos, que terminou com a liderança dos uruguaios após também vencer um jogo e empatar outro. Desde então já se vão 43 anos sem que os times voltem a se enfrentar pela Libertadores...


San Lorenzo-ARG - freguês do Newell's Old Boys-ARG
9 jogos - 5 derrotas, 3 empates e 1 vitória

Todos os nove jogos foram em apenas duas edições e em um intervalo de apenas cinco anos, edições essas em que o Newell's Old Boys chegou na final. Em 1988 foram dois empates sem gols e vitória por 1 a 0 do Newell's em jogo-desempate; mais tarde voltaram a se enfrentar nas semifinais com o time de Rosário avançando à decisão após duas vitórias. Em 1992 a única vitória do San Lorenzo, um acachapante 6 a 0 fora de casa e mesmo perdendo depois na partida seguinte ambos se classificaram. Voltaram a se enfrentar mais uma vez em mata-mata nas quartas de final na mesma edição, e assim como há quatro anos atrás nova eliminação do San Lorenzo para o Newell's depois de um empate por 1 a 1 e derrota por 4 a 0.


Boca Jrs-ARG - freguês do Olímpia-PAR
8 jogos - 4 derrotas, 2 empates e 2 vitórias

Em números não se trata de uma grande freguesia, afinal o Boca não saiu derrotado em metade dos jogos. Mas o confronto entra na lista por um outro motivo: em três ocasiões o Olímpia eliminou o Boca em mata-mata de Libertadores. Em 1963 o único encontro na fase de grupos cada um venceu um jogo, com o time argentino avançando para a próxima fase. Depois os dois times decidiram a Libertadores de 1979, com os paraguaios conquistando seu primeiro título e impedindo o tricampeonato do Boca. Vinte anos depois novo encontro, válido pelas oitavas de final e de novo deu Olímpia na disputa de pênaltis após uma vitória de cada lado. E em 2002 nas quartas de final os paraguaios avançaram, e assim como em 1979 impediram novamente a chance do Boca conquistar o tri, pois na época era bicampeão da competição.




Nenhum comentário:

Postar um comentário